Golden Hour: Por que ela é essencial

Golden Hour: Por que ela é essencial

Esperar e vivenciar a Golden hour também conhecida como a hora do bebê cria o primeiro laço afetivo entre mãe e filho durante esses primeiros minutos de vida

Chamado de hora dourada (ou golden hour em inglês), a primeira hora de vida do bebê é muito importante. É neste momento que se cria o laço afetivo entre mãe e filho após os nove meses de gestação. Além de reduzir riscos à saúde do recém-nascido e estimular a amamentação com sucesso.

A Golden hour logo após o parto é muito importante

A hora do bebê com sua mãe faz com que ele se aconchegue nos braços dela. A mamãe poderá finalmente sentir o cheirinho de seu filho e seus batimentos cardíacos. Tudo isso ajuda o bebê na transição do útero para o mundo externo, pois são ambientes bem diferentes.

Filho nos braços

Quando a mãe pega o filho nos braços é considerado um dos momentos maus marcantes do pós-parto. Não tem preço poder sentir o toque, cheiro, estimular o primeiro contato físico depois de meses de espera. O bebê poderá reconhecer sua progenitora e se sentir acolhido e seguro. O vínculo é definido pelo tato e afeto. E é por isso que os bebês saudáveis são colocados sobre o peito da mãe em seguida do nascimento.

Golden hour na amamentação

Contudo, uma das principais características da hora do bebê é a amamentação em sua primeira hora de vida.

Neste caso a mãe produz o colostro, líquido amarelado que desce antes do leite, e é muito rico em anticorpos e nutrientes. Nesta hora o bebê já está alerta e com os estímulos de sucção presentes. E assim acontece naturalmente o momento em que o bebê cria o primeiro vínculo com a mãe pelo ato de amamentar.

Sono profundo de até 12 horas

Após a primeira mamada, o recém-nascido costuma entrar em um sono profundo que pode durar entre 8 e 12 horas. Após este intervalo, geralmente, as mamadas ficam mais difíceis.

Acontece que o bebê pode não mamar de fato e não precisa forçá-lo a isso. Porém, só de haver a proximidade, a busca e as tentativas de sugar o peito já criam a liberação de prolactina, hormônio por trás da produção do leite materno, cujos níveis caem logo após o parto.

Se a mãe conseguir evitar que a criança fique “sonolenta” e com a prolactina baixa, ficará mais fácil definir a amamentação pelos próximos dias e meses. Este é considerado um dos grandes trunfos da hora dourada.

Ocitocina

Ainda sobre a amamentação, a ocitocina que é conhecida como “hormônio do amor”, poderá auxiliar na aproximação entre mãe e filho de um modo mais harmônico. Além de ajudar na recuperação do útero da mulher para que volte ao seu tamanho normal.

O hormônio também ligado à redução de estresse. O fenômeno pode explicar outros benefícios associados ao contato pele a pele imediato.

De acordo com Rossiclei Pinheiro, pediatra do Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP):

“Ele pode diminuir a possibilidade de abandono materno e inclusive depressão pós-parto.”

A golden hour é respeitada nos hospitais?

Com o passar dos anos a classe médica reconheceu a grande importância da hora do bebê em seus primeiros minutos de vida.

Rossiclei Pinheiro ressalta também:

“Em 2000, menos de 20% das crianças mamava na primeira hora de vida, e hoje nas instituições públicas e hospitais amigos da criança este índice chega a 80%.”

Por fim, ela admite que falta uma ampliação desse trabalho para chegar aos 100%.

“Em instituições privadas, este índice provavelmente fica abaixo dos 50%.”

Foto: Divulgação/Depositphotos

Atendimento Belly Home
Enviar via WhatsApp