Um toque. Uma vida. Belly home no Outubro Rosa!

Outubro Rosa

Uma causa nobre deixou esse mês ainda mais colorido, todos se vestiram de rosa para tocar em um assunto delicado, mas que pode salvar milhões de vidas. Conhecido como Outubro Rosa, o movimento internacional simbolizado por um laço cor-de-rosa estimula a participação e o debate da sociedade sobre a prevenção do câncer de mama, além de discutir a importância do diagnóstico precoce. Vale lembrar que o câncer de mama é o tipo que mais atinge mulheres em todo o mundo, respondendo por 25% dos novos casos a cada ano.

Se você quer abraçar essa causa de peito aberto, mas ainda existem algumas dúvidas no meio caminho, a gente te ajuda a esclarecer. Conheça alguns mitos e verdades que envolvem a doença.

Mitos e Verdades

Se eu não tenho histórico de câncer de mama na família, eu não preciso fazer a prevenção?

Mito. Mulheres de qualquer idade, com ou sem histórico famíliar da doença, devem conhecer seu corpo e ficarem atentas a alterações suspeitas nos seus seios.

Tive parentes com câncer de mama, por isso, preciso fazer mamografias anuais antes dos 50 anos?

Verdade. Quem tem histórico familiar precisa fazer mamografias anuais a partir dos 25 anos. Quanto maior a proximidade parental, ou seja, ter uma mãe, filha ou irmã que teve a doença, maiores são os riscos. Inclusive, existe um teste que mostra se você possui predisposição para desenvolver a doença e caso a mutação for detectada é possível fazer uma cirurgia preventiva.

Mulheres que menstruaram antes dos 12 anos ficam mais suscetíveis a ter essa doença?

Verdade. Isso acontece porque essas mulheres ficaram mais expostas ao longo da vida aos hormônios progesterona (regula o ciclo menstrual) e estrogênio (responsável pelo desenvolvimento das mamas).  

Faço o autoexame com frequência, sendo assim, não preciso fazer mamografias, certo?

Mito. Apesar de ser um importante aliado na busca de corpos estranhos nas mamas, a mamografia é o método mais eficaz e recomendado pelo Inca (Instituto Nacional do Câncer) para a realização do diagnóstico precoce.

Obesidade, sedentarismo e o consumo de bebidas alcoólicas podem aumentar os riscos de ter câncer de mama?

Verdade. Hábitos comportamentais negativos como ficar acima do peso, especialmente após a menopausa, ou a falta de exercícios físicos provoca uma multiplicação no tecido gorduroso e nos níveis de estrogênio, aumentando assim, os riscos de desenvolver a doença.

Eu descobri que estou com câncer, isso quer dizer que vou perder meu seio?

Mito. Fato é que antigamente a conhecida mastectomia (remoção total da mama) era a única solução para as mulheres que se deparavam com esse doloroso diagnóstico, porém com os avanços no tratamento dessa doença existem outras opções. A combinação de lumpectomia (remoção apenas do nódulo existente) com a radioterapia costumam ser uma alternativa para pacientes com esse quadro.

Como fazer a prevenção do câncer de mama?

A prevenção não tem idade e pode começar agora mesmo. Você sabia que praticar atividades físicas, comer bem, manter o peso ideal, não consumir bebibas alcóolicas, não fumar e até mesmo amamentar reduz em 30% as chances de ter a doença?

Para as mamães e futuras mamães, leitoras do blog Belly Home essa é uma ótima notícia, o aleitamento materno feito por mães de qualquer idade reduz a chance do surgimento do câncer de mama e quanto menor a idade da mulher maior a proteção.

Segundo dados apresentados pelo site Bebê.com.br em sua campanha Outubro Rosa 2017, mulheres que engravidam antes dos 30 anos tem um fator protetor contra o câncer de mama ainda maior e o tempo que a mamãe amamenta também influencia na sua proteção, ou seja, quanto maior o aleitamento menor o risco de apresentar a doença.

Vale apontar um cenário curioso de mulheres que foram diagnosticadas com a doença, mas por terem amamentado, apresentaram um quadro de câncer com menor gravidade.

Eu me amo. Eu me toco. Diagnóstico precoce da doença!

Por se tratar muitas vezes de uma doença silenciosa e assintomática, campanhas como o Outubro Rosa se fazem muito bem-vindas, levantando a bandeira do diagnóstico precoce feito através do autoexame, por exemplo, importante facilitador no momento de detectar a doença em sua fase inicial. Nesse primeiro dignóstico é possível verificar alguns sintomas marcantes como nódulos, alterações na pele, edema, vermelhidão ouaté uma diferença no tamanho entre as mamas.

Para mulheres de qualquer idade, em qualquer mês ou dia do ano aqui vai nosso pedido, se ame, se toque! Dados apontados pelo Inca mostram que o diagnóstico precoce da doença são na maioria das vezes feito pelas próprias mulheres. Lembrando que o autoexame não substitui uma ida ao especialista e a realização de exames importantes como a mamografia e ultrassonografia.

Mulheres que não tem histórico familiar da doença devem fazer a mamografia de rastreamento a partir dos 50 anos, já aquelas com risco elevado devem falar com seu ginecologista, para saber o melhor momento de fazer o procedimento.

Agora com tudo esclarecido e para você perder o medo do autoexame, preparamos um guia rápido que pode salvar uma vida com apenas um toque.

autoexame de mama

Autoexame

  1. Faça o exame depois da menstrução para evitar qualquer influência hormonal.
  2. Em frente ao espelho coloque um dos braços atrás da cabeça e apalpe o seio e a axila. Repita o movimento com o outro braço.
  3. Faça movimentos circulares em busca de nódulos (caroços), mudanças de formato e veja também se existe alguma secreção saindo do mamilo.

Pronto! Sentiu algo diferente? Não se assuste procure um ginecologista ou mastologista, um desses especialistas indicará o caminho a seguir.

Atendimento Belly Home
Enviar via WhatsApp