As fases do trabalho de parto

As fases do trabalho de parto

Fases do trabalho de parto são marcadas por Dilatação, Expulsão e Dequitação: Saída da placenta

Após meses de gestação chega a tão sonhada hora pelas mamães, a hora de dar a luz a seu bebê. Neste período ocorrem as fases do trabalho de parto que, geralmente relacionadas ao caso de um parto normal. São elas: dilatação do colo do útero, período expulsivo e a saída da placenta.

A maioria das mulheres começa a entrar em trabalho de parto entre 37 e 40 semanas de gestação. Para as mamães e papais de primeira viagem, podem ficar calmos, que isso acontece espontaneamente. Ou seja, há sinais de que a grávida vai dar a luz em breve. Isso em razão da expulsão do rolhão mucoso (saída de um líquido gelatinoso, de aparência rosada ou acastanhada pela vagina), e da rotura da bolsa das águas. Neste caso, é quando começa a sair o líquido amniótico transparente.

Já as contrações estão irregulares e intensas, até ficarem regulares, com intervalos de 10 em 10 minutos. Portanto, chegou a hora da mamãe ir ao hospital ou maternidade para ter seu bebê.

Fases do trabalho de parto

A primeira fase do trabalho de parto é a Dilatação. Ela é caracterizada pela presença de contrações e processo de dilatação do colo do útero, e canal de parto até atingir 10 cm.

Contudo, esta fase também é dividida em: latente e ativa. A primeira diz respeito à dilatação do colo do útero, que é inferior a 5 cm. Ela ainda é marcada pelo aumento gradual da atividade uterina, presenças de contrações uterinas irregulares e elevação das secreções cervicais. Isso significa que pode haver perda do tampão mucoso. Já a etapa ativa é a dilatação superior a 5 cm, em que a mulher apresenta contrações regulares e dolorosas.

Duração

Na primeira fase o trabalho de parto pode durar em média de 8 a 14 horas, mas depende da mulher, que começa a sentir dores em razão das contrações. Elas ficam mais regulares e com intervalo menor entre uma e outra à medida que é constatada maior dilatação do colo do útero e do canal vaginal.

Respiração

Para reduzir as dores, a grávida deve inspirar de forma lenta e profunda durante cada contração. Na prática, é como se ela estivesse cheirando uma flor e expirar como se estivesse apagando uma vela.

Outros fatores que podem ajudar nesta hora é a gestante caminhar lentamente pelo corredor da maternidade ou subir escadas. Isso tudo tem o objetivo de auxiliar o feto a se posicionar e sair da barriga da mãe. Mas se ela estiver deitada, pode se virar para o lado esquerdo a fim de facilitar uma melhor oxigenação do feto e reduzir a dor.

Esta fase é concluída com o toque vaginal a cada 4 horas, para acompanhar a dilatação e encorajar movimentos para a posição vertical. Já as mulheres que apresentam baixo risco de precisarem de anestesia geral pode haver a ingestão de líquidos e de alimentos.

Fase 2 – Expulsão

Entre as fases do trabalho de parto, a segunda diz respeito à continuação da fase ativa da hora do parto. Ela acontece por meio da expulsão. Ou seja, aqui o colo do útero já atingiu a dilatação máxima e começa a etapa do período expulsivo. Ela pode durar em média de 2 a 3 horas.

A etapa de expulsão também recebe o nome de período de transição. Isso porque é relativamente curta, mas dolorosa, e o colo do útero adquire uma dilatação entre 8 e 10 cm ao fim do período.

Ao atingir a dilatação necessária, a mulher inicia o momento de fazer força para a descida da apresentação fetal. Vale ressaltar que nesta fase a mamãe pode escolher a posição em que deseja dar a luz. Porém, deve ser uma posição confortável.

Movimento de empurrar

Auxiliada pelos profissionais de saúde, a mulher passa a realizar o movimento de empurrar, mantendo uma respiração mais controlada.

Em relação às técnicas para reduzir o trauma no períneo, temos: a massagem perineal, feita com compressas quentes, ou ainda pela proteção perineal com as mãos. Mas aqui não é recomendada a realização de pressão manual no colo do útero ou episiotomia, que significa realizar um pequeno corte no períneo para facilitar o parto. Além de não haver evidências científicas de seus benefícios, há o risco sangramento e complicações durante e após o parto.

Fase 3 – Dequitação ou simplesmente saída da placenta

Nesta última fase do trabalho de parto, tomando pelo princípio que a gestante quer um parto normal, ela ocorre após o nascimento do bebê. A fase de dequitação é caracterizada pela saída da placenta. E ela pode acontecer espontaneamente ou ser retirada pelo médico. Normalmente, aqui é realizada a administração de ocitocina, que é um hormônio que favorece o trabalho de parto e o nascimento da criança.

Avaliação geral

A equipe de obstetrícia e enfermagem farão uma avaliação geral na mamãe, e também realizará a tração controlada do cordão umbilical.

Por fim, após o bebê nascer e for contatado de que não há sinais de complicações nele e na mãe, a criança é colocada em contato com a mamãe para a realização da primeira amamentação.

Em outras palavras, chegou a hora de emoção entre mãe e filho, o primeiro contato de muitos que virão.  

Foto: Reprodução/Rsaúde

Atendimento Belly Home
Enviar via WhatsApp